O Pensamento de Jesus - (Mateus 5,43-48)

Basílica de Lourdes, 18 de junho de 2013

Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos: “Vós ouvistes o que foi dito: 'Amarás o teu próximo e odiarás o teu inimigo!' Eu, porém, vos digo: amai aos vossos inimigos e rezai por aqueles que vos perseguem! Assim vos tornareis filhos do vosso Pai que está nos céus, porque ele faz nascer o sol sobre maus e bons e faz cair a chuva sobre justos e injustos. Porque, se amais somente aqueles que vos amam, que recompensa tereis? Os cobradores de impostos não fazem a mesma coisa? E se saudais somente os vossos irmãos, o que fazeis de extraordinário? Os pagãos não fazem a mesma coisa? Portanto, sede perfeitos como o vosso Pai celeste é perfeito”.

EXPLICAÇÃO DO EVANGELHO

Jesus proferiu Seu discurso com a intenção de nos ensinar, mais profundamente, a doutrina divina. Ele disse:
"Vós ouvistes o que foi dito: 'amarás o teu próximo e odiarás o teu inimigo'. Eu, porém, vos digo: amai os vossos inimigos e rezai por aqueles que vos perseguem".
Quando Jesus fala: "Ouvistes o que foi dito aos antigos", referia-se ao passado; e quando diz: "Tendes ouvido", dirigia-se ao presente. Podemos concluir, então, que estas palavras se reportam ao Antigo e ao Novo Testamento.
Ao mencionar a Lei do Antigo Testamento, Ele diz: "Aquele que violar um só destes mandamentos e ensinar os homens a fazerem o mesmo, será o menor no Reino dos Céus.
Aquele, porém, que os praticar e ensinar, será chamado grande no Reino dos Céus." Quanto à justiça, alerta: "Se a vossa justiça não for maior que a dos escribas e a dos fariseus, não entrareis no Reino dos Céus." E, "Quem observa a Lei e, por fraqueza humana, a escuta errada, está violando a Lei."
Jesus dividiu este Evangelho em duas partes.
Na primeira diz: "Eu não vim abolir a Lei e sim aperfeiçoá-la".
Os fariseus estavam transmitindo errado o que aprenderam corretamente. Nesse caso, seriam os menores no Reino de Deus. Quando fala: "Até que passem o Céu e a terra, não será omitido nem um só i, uma só vírgula da Lei", Ele quis dizer que nada, nem um i, nem uma vírgula da Lei serão mudados.
Na segunda parte, Jesus se refere àqueles que escutam e ensinam o que é certo; estes serão considerados grandes no Reino de Deus.

A ideia de amar o próximo e odiar o inimigo é uma deturpação da Lei, pois uma coisa é odiar o erro, a maldade, o pecado, outra é odiar a pessoa; a ela devemos desejar a conversão, por se tratar igualmente de uma criatura de Deus. Por isso, Jesus explicou que o inimigo é o seu próximo com os mesmos direitos e oportunidades. "O Pai que está nos Céus faz nascer o sol igualmente sobre maus e bons e cair a chuva sobre justos e injustos." Portanto, devemos fazer somente o bem.
"Sede perfeitos como o Pai é perfeito". "Seja o vosso sim, sim, e o vosso não, não. O que for além disto vem do Maligno".
Lucas (6,24) compreendeu que o "Ai de vós", que Jesus falou, é bem mais do que dizer: cuidado, sejam prudentes! Cuidado com as conseqüências. É, portanto, uma advertência.

 (Explicação do Evangelho, por Raymundo Lopes,extraído do livro "Código Jesus", p.81-82)

2007 @ Todos direitos reservados para o SIM-Serviço de Informação Mariana